Mundo cloud – a nova realidade

Mundo cloud – a nova realidade

“Inovação distingue um líder de um seguidor” – Steve Jobs

A cloud computing, ou computação na nuvem, deixou de ser uma grande novidade há algum tempo e se tornou realidade no mundo corporativo. O conceito lançado no final do século passado, em pouco tempo passou a ser percebido pelas empresas como o caminho para resolver uma série de dificuldades e desafios relacionados à manutenção de infraestrutura para operação de sistemas: estruturar equipes de especialistas em redes e em servidores e bancos de dados, acompanhamento da evolução tecnológica, custos expressivos de aquisição de hardware e de licenciamento de software, manutenção de equipe forte de desenvolvimento, sem contar os altos investimentos e a mobilização das equipes técnicas e funcionais para executar os upgrades e troca de versões de sistemas.

Com vistas a solucionar esses problemas, as empresas passam a contratar os serviços de cloud computing, a princípio na modalidade IaaS – Infrastructure as a Service e posteriormente evoluindo para PaaS – Plataform as a Service e SaaS – Software as a Service.

Simplificadamente, podemos pensar no IaaS como sendo o transporte dos sistemas legados para a infraestrutura de um datacenter, onde este provê hardware e conectividade. Já na modalidade PaaS, o provedor inclui os serviços de banco de dados, de modo que a empresa não tenha que se preocupar com o licenciamento de software básico para operação dos seus sistemas. Ambas as modalidades propiciam condições para que os sistemas sejam operados de forma remota, pela internet e, através dos recursos de conectividade, facilitam a construção de interfaces e integrações com outros sistemas independentemente de plataforma tecnológica.

Na modalidade SaaS, por outro lado, além da infraestrutura e plataforma, os serviços incluem o sistema que atende o negócio da empresa. Essa modalidade de serviços é a que requer uma maior reflexão, haja vista que a decisão da empresa passa por colocar a operação do seu negócio na nuvem, condicionada à utilização compartilhada dos recursos computacionais, talvez até com os seus concorrentes.

Segurança da informação passa a ser um dos principais requisitos nos processos de pesquisa e escolha da solução cloud. Deve haver a certeza de que os serviços sejam prestados a partir de plataformas que sigam rigorosos padrões de segurança, certificações e atualizações periódicas contra possíveis ataques e invasões, além de a solução e a guarda dos dados devem garantir a segregação dos acessos – solução “multitenant”.

Entretanto, nem tudo são preocupações. Há vários fatores que motivam para a adoção de uma solução completa na nuvem. Dentre eles destaca-se a redução de custos. Esse ponto gera divergências de opiniões, principalmente quando os cálculos não são bem feitos. Além de não haver os altos investimentos em infraestrutura de hardware e software, não se pode esquecer de computar a redução de custos de espaço físico e de equipes dedicadas.

Outro fator importante está relacionado à atualização do sistema, a qual é realizada automaticamente pelo fornecedor, assim como a manutenção, sem necessidade de gastos adicionais periódicos.

E, por fim, soluções nativas em cloud são projetadas para tirar o máximo proveito das características definidoras de plataformas de computação na nuvem e são construídas usando os princípios fundamentais, padrões e práticas recomendadas que entregam e dão suporte a essas características: princípio fundamental para atender o mercado que demanda por velocidade, agilidade, flexibilidade e desempenho otimizado.

Mariângela Ramos Fragão da Silva, PMP – Gerente de Suporte e Relacionamento & Arquitetura de Soluções