Ecossistemas, empresas sociais e RH

Ecossistemas, empresas sociais e RH

Uma empresa pode ser comparada a  uma engrenagem. Profissionais e sistemas, que atuam independentes e também integrados, a fim de criar e/ou produzir o que quer que seja. Porém, além de uma engrenagem, a empresa também faz parte de um ecossistema. Ou seja, um ambiente maior do que o negócio e que reúne fornecedores, parceiros, concorrentes, clientes, etc. Quando entendida como parte de uma sociedade, a organização precisa ir além de sua engrenagem e estar atenta às necessidades e aos comportamentos das pessoas.

 

O conceito de ecossistema empresarial foi abordado na pesquisa “Tendências Globais de Capital Humano 2018“, da Deloitte, que entrevistou mais de 11 mil líderes de negócios e de Recursos Humanos de 124 países. Entre as tendências reveladas no estudo, destacamos o ecossistema da força de trabalho. Somado à atmosfera de constantes transformações, o crescimento de novos modelos de trabalho está redefinindo a relação entre empresa e colaborador. Paralelamente, há o avanço do conceito empresas sociais, que têm relação com o que abordamos no texto sobre marca empregadora e que explicamos abaixo.

 

Empresas sociais.

 

Cada vez mais, as empresas são avaliadas além do que comercializam. A postura em relação aos colaboradores, o meio ambiente, a comunidade e tudo que faz parte do ecossistema do negócio são constantemente analisados e julgados. Frente a isso, construir e manter uma reputação favorável é fundamental. Aliás, não é apenas questão de imagem. Como parte do ecossistema, a empresa se beneficia direta e indiretamente das melhorias construídas colaborativamente. Afinal, plantar em solo fértil é mais produtivo do que em ambiente hostil.

 

Ecossistemas e colaboradores.

 

No contexto dos ecossistemas, a força do coletivo conectado por um propósito é uma oportunidade de mão dupla. As empresas com essência criam impactos e ecos positivos em diversas esferas, incluindo os colaboradores. Voltando à pesquisa, segundo dados sobre o Brasil, que contou com 337 participantes, 92% dos executivos apontaram atenção com o bem-estar como uma questão importante para suas atividades profissionais no futuro.

 

Concluindo, como é natural em ecossistemas e em engrenagens, apelo cíclico e reciprocidade são pontos de atenção. É ideal que os colaboradores também sejam conscientes sobre a importância de uma participação ativa no negócio. Além de serem essenciais para que os processos aconteçam adequadamente e para que o negócio evolua e cresça, os profissionais também participam das realizações da empresa em prol da sociedade.