Dia Internacional pelos Direitos das Mulheres: Por Mais Mulheres na Tecnologia

Dia Internacional pelos Direitos das Mulheres: Por Mais Mulheres na Tecnologia

Em um país desigual, não basta ser igualitário. É preciso ser anti-desigualdade.

Dizer que o Dia da Mulher é todo dia, assim como que todo dia é Dia das Mães não é errado, de fato as mulheres merecem reconhecimento pelas lutas diárias e conquistas históricas que alcançaram ao longo de décadas de batalha. Mas tem reconhecimento maior que trocar a tradicional busca “Presente ideal para o dia da mulher” por “Qual o real significado do Dia da Mulher” ou ainda “Luta pela equidade de gênero”?

Em uma rápida busca na internet, concluí que a origem do Dia Internacional pelos Direitos das Mulheres tem algumas versões, países e datas diferentes. O que é perfeitamente aceitável vindo de uma questão completamente inexplorada que clamava por medidas revolucionárias, tomadas por mulheres corajosas em seus respectivos tempos e países, e por razões que por mais diversas que fossem, almejavam alcançar o mesmo objetivo. Direitos iguais.

Agora, difícil é concluir em que momento este dia, criado para marcar uma nova era de luta pelos direitos das mulheres, tornou-se simplesmente o Dia da Mulher. Como se a corrida pela igualdade tivesse acabado e as mulheres já vencedoras pudessem finalmente receber o seu reconhecimento: suas merecidas flores e chocolates, ano após ano.

Em estudo recente sobre a falta de iniciativas de igualdade em empresas brasileiras, a Tree Diversidade identificou que 70% das empresas não realizam qualquer ação sobre o tema como cursos, palestras ou criação de comitê. Disparidade salarial; assédio sexual; ofensas de gênero e demissão durante ou até dois anos após o retorno da licença-maternidade, são apenas alguns exemplos que explicitam a hierarquia de gênero e afirmam a necessidade da busca contínua pela equidade de gênero.

Aqui na Techware, empresa de software para folha de pagamento e RH, uma das práticas derivadas do valor Ética da nossa cultura é: Repudio atitudes discriminatórias, tais como idade, gênero, raça, credo e orientação sexual. E após reforçarmos o conceito de igualdade praticado na empresa por 2 anos consecutivos com ações internas, sentimos vontade de independente de termos um equilíbrio entre homens e mulheres em números e liderança, darmos voz a uma das muitas causas que serão levantadas neste Dia Internacional pelos Direitos das Mulheres, que é Mais Mulheres na Tecnologia.

Foi muito bom em plena era da Transformação Digital conhecermos várias instituições que promovem o tema. Dentre elas convidamos Iana Chan – fundadora da empresa PrograMaria para falar um pouco do trabalho que desenvolve, razões pelas quais faltam mulheres na tecnologia, qual a importância de debater e agir sobre o tema e quais são as práticas para transformar esse cenário. A palestra que aconteceu no próprio dia 08/03 em nossa sede contou com a participação de todos os TechDesigners e o valor da palestra será revertido em oficinas de programação para meninas de escolas públicas.

Essa semana lançamos a campanha #MaisMulheresNaTecnologia, onde todos estão convidados a postarem nas redes sociais suas trajetórias pessoais, experiências na área, desafios, conquistas ou escrever mensagens de incentivo sobre mais mulheres na tecnologia. As postagens com a # serão divulgadas na TV Corporativa da empresa e a ideia é ajudar a Programaria a ampliar sua rede de contatos com mulheres, organizações e pessoas em geral, que possam agregar à causa.

É imprescindível que as empresas abram canais de discussão para que assuntos como estes tenham visibilidade, treinando as pessoas e estabelecendo políticas e práticas que se sustentem. Quando a empresa se posiciona sobre uma causa, além de agregar valor socialmente, ela melhora o clima organizacional através da valorização dos colaboradores e colhe os frutos da diversidade de gênero como vantagem competitiva.

 

Aline Brito | Analista de Marketing, Comunicação e Identidade Corporativa